quinta-feira, 30 de setembro de 2010

A verdade sobre o glúten

O glúten é uma proteína presente no trigo, na aveia, no centeio, na cevada e no malte. Os demais alimentos in natura não possuem essa proteína, porém ela pode ser encontrada também em preparações (bolos, pães, biscoitos) que levam algum desses ingredientes.
O glúten deve ser excluído da dieta de pessoas portadoras da Doença Celíaca, que é uma doença autoimune, cujos principais sintomas são: diarréia, dor abdominal e perda de peso. O único tratamento é uma alimentação sem glúten por toda a vida.
Porém, quem não é celíaco, não tem a necessidade de excluir esses alimentos de sua dieta, nem para obter qualidade de vida, nem para reduzir a gordura corporal, já que o glúten não rouba nutrientes, não atrapalha a digestão e não dificulta a eliminação de toxinas.
De acordo com a Lei nº 8.543, de 23 de dezembro de 1992, há a obrigatoriedade de informar no rótulo a presença de glúten nos alimentos, para que desse modo, os celíacos identifiquem qual alimento podem ou não consumir. É importante ressaltar que, mesmo que o alimento não contenha glúten, mas tenha sido produzido nos mesmos equipamentos que preparam alimentos com glúten, esse alimento não pode ser consumido pelos portadores da Doença. Por isso, o processo de rotulagem dos alimentos deve ser levado a sério e indicar corretamente se o produto possui ou não essa proteína em sua composição.
  • Para saber se a rotulagem está de acordo com a legislação, os consumidores podem utilizar os telefones de contato das empresas que produzem alimentos sem glúten, e se certificarem de que aquele alimento foi produzido adequadamente. Há também a Associação dos Celíacos do Brasil, cujo site fornece diversas informações, como lista de alimentos permitidos e proibidos, lista de pontos de venda desses alimentos, entre outras informações importantes para a população.
Postar um comentário